Mariana Neves ~ Other Voices

20:09 Joana Santos 6 Comments

Há uns tempos atrás, fiz uma lista das minhas mulheres-ídolo: aquelas que me inspiram, que me dão vontade de correr atrás dos meus objectivos e que me tornam uma pessoa melhor. Escrevi o nome da Mariana logo na primeira linha, com uma letra bonita, e desenhei um girassol ao seu lado. Não sei há quantos anos a Mariana entrou na minha vida, mas sei que, quando isso aconteceu, trouxe o sol com ela. Entrega sorrisos e distribui abraços sem pedir nada em troca e, dentro do seu coração, cabe o mundo inteiro, mesmo que o mundo inteiro ainda não o saiba. As vinte e quatro horas do dia são divididas entre a psicomotricidade, o Projecto Cartas Cruzadas, o chá, o seu blogue e, claro, as pessoas que lhe aquecem a alma. Pelo meio, ainda há tempo para amar a mãe natureza e partilhar todo o seu conhecimento com os que a rodeiam. É perita em juntar pessoas: por causa dela, também eu tenho uma coach fantástica, um bando de pessoas lindas com quem troco cartas à moda antiga e sei, com toda a certeza, que divido este Planeta Azul com corações bons. Como o dela. Ela é a primeira a ser entrevistada para a nova rubrica do blogue, Other Voices. Não podia ser de outra maneira.

Chá & Girassóis

→ O que te levou a começar este blogue?
A história deste blogue começa em 2010. Na altura eu tinha um blogue chamado “O (secreto) Ritual” que foi o meu porto de abrigo durante toda a minha adolescência, escrevia lá sobre tudo: desilusões, conquistas, lágrimas e sorrisos. Até que chegou a uma altura em que apesar de ainda continuar a amar esse blogue tinha que seguir em frente, já não me identificava com esse estilo de escrita e na verdade não me queria expor assim tanto. Daí cresceu o Chá & Girassóis. O blogue que me acompanha na minha entrada do mundo adulto.

→ O blogue tem vindo a alterar-se ao longo do tempo. Essa alteração acompanha o teu crescimento pessoal? Se sim, de que forma?
Claro que sim! Sinto que o meu blogue é um reflexo de mim mesma, por isso enquanto eu mudo, ele muda também. Ele é o meu porto de abrigo, por isso está sempre ajustado aquilo que mais gosto e que mais me completa. E claro isso não é o mesmo que era há uns anos atrás.

→ No entanto, há sempre uma base de temas: a vida saudável, o amor pela natureza e pelas pequenas maravilhas da vida. Acredito que seja uma descoberta constante. Planeias as tuas publicações ou deixas que a inspiração te chegue e escreves nesse momento?
Vou ser sincera, Joana, há publicações que são programadas, por exemplo coisas mais objetivas, por exemplo post sobre organização ou sobre produtos de cosmética natural. Mas depois há post que simplesmente me apetece escrever e escrevo. Fácil. Há uma linha orientadora nos post (até para o blogue não ficar uma confusão) mas há também muita flexibilidade.

→ O que significa para ti o teu blogue?
O meu blogue, como já disse, é o meu porto de abrigo. O meu reflexo das mudanças que vou criando na minha vida, os desafios que vou lançando, as vezes que caio, as saudades que sinto. Uma vez disse que o meu blogue é a minha casa virtual e tudo o que eu espero é que quem o leia sinta também isso: sou eu, a minha vida e tudo o que ela contém (ou quase tudo).

→ Que surpresas para 2017 estás a preparar para os teus leitores?
O único compromisso que quis estabelecer para 2017 foi escrever mais, estar mais presente no blogue. O resto, sem expectativa.


A Blogoesfera

→ Quais são os blogues sem os quais não podes viver?
Pergunta muito, muito, difícil. E eu não sei responder. Eu sigo sensivelmente 100 blogues (e isto é uma lista muito selecionada, acredita). Recorro a vários tipos consoante o que quero ler. Sigo muitos blogues sobre culinária vegetariana, minimalismo e blogues pessoais. Não te consigo dizer os blogues sem os quais não consigo viver, gosto muito de blogues autênticos e acolhedores.

→ Que conselhos darias a alguém que estivesse, neste momento, a começar um blogue?
Façam-no com o coração. Não pensem em lucros, em seguidores, o que quer que seja. Escrevam de coração aberto e mesmo que ninguém comente, que ninguém saiba, façam-no por vocês. Tornem o vosso blogue aquilo que vocês sonharam para ele. Não desistam e peçam ajuda se precisarem. Mas o mais importante é mesmo: escrevam com o coração. O resto vem sempre por acréscimo (na minha opinião).

→ Num mundo em que todos nós estamos online, como estabeleces a fronteira entre aquilo que é a tua vida pessoal e a tua vida pública?
Fácil. Só publico coisas que não me importo que os meus vizinhos ou os meus familiares mais afastados saibam. Se estiver confortável para qualquer pessoa ler, publico. Se não, guardo para mim mesma.

→ E como é que te desligas, nos momentos em que precisas de silêncio?
Joana! Essa pergunta é demasiado óbvia: com uma chávena de chá, claro!!


Projecto Cartas Cruzadas

→ És uma pessoa cheia de ideias. De onde veio a inspiração para começar este projecto?
Veio pela paixão de escrever cartas e de acreditar mesmo que uma palavra bonita salva o dia de alguém (como já salvou tantas vezes os meus dias). Sempre fui conectada às palavras, as cartas são o meu meio favorito para espalhar felicidade. Então pus mãos à obra (sem imaginar que isto viria a ser) e cá estou eu, cinco anos depois ainda a escrever cartas.

→ Tens ideia de quantas cartas já enviaste?
Ao todo? Tenho quase a certeza que já cheguei às mil. Mas pelo menos, posso dizer-te que neste momento, já mandei para 300 pessoas diferentes. Números bonitos, pois são?

→ Qual é o teu sítio preferido para escrever cartas? E a banda sonora?
O meu sítio favorito é o meu quarto porque tenho uma vista linda da janela, mas também gosto de escrever em cafés! Gosto muito de escrever acompanhada. A banda sonora são músicas calminhas (aliás criei uma playlist no spotify é só pesquisarem “cartas cruzadas”) neste momento escrevo com instrumentais de piano da Disney, músicas calmas e felizes.

→ Qual foi a carta que mais gostaste de escrever?
Não sei, tenho muitas cartas favoritas. Gosto muito de escrever cartas para pessoas que adoro e mais uma vez: com o coração aberto. Já escrevi cartas a rir de felicidade e a chorar. Essas cartas são as minhas favoritas porque sei que foram para as pessoas certas.


→ E a que mais gostaste de receber?
Já recebi cartas muito bonitas, mesmo. Mas a que mais me tocou até agora, foi uma que recebi no dia do funeral da minha avó. Sem saber a pessoa (que infelizmente já perdi o contacto) mandou-me uma carta com umas bolachinhas que ela tinha feito. Abri a carta depois do funeral, sem coração no peito e com a cara cheia de lágrimas. Aquela bolacha aconchegou-me tanto o coração que nunca me vou esquecer dessa sensação. (A pessoa não sabia que a minha avó tinha morrido, foi mesmo coincidência).

→ Colocas sempre muito de ti neste projecto: decoras as cartas que escreves, escreves à mão, tentas fazer com que quem recebe essa carta se encha de felicidade. Resulta?
Diz-me tu, que já recebeste cartas minhas: resulta?

→ O que é que já aprendeste com este projecto?
Aprendi coisas boas e coisas más. Das coisas boas: vale tudo a pena por um sorriso. E podes fazer a diferença na vida de alguém por muito pouco, basta estares presente, atenta e com boa vontade. Das coisas más: nem toda a gente sabe manter um compromisso e existem pessoas demasiado sozinhas neste mundo. (E muitas vezes quem me dera poder ter duplas minhas para andar por aí a abraçar as pessoas que me contactam porque se sentem sozinhas, ninguém deveria sentir-se assim num mundo tão cheio)

→ Até onde é que o queres levar?
Até onde ele me quiser levar. Sem expectativas mas com muitos sonhos. Nunca pensei estar aqui agora, já fui entrevistada por três jornais e uma revista, dá para acreditar?! Onde o projecto me quiser levar, eu vou com ele, sem o largar.


O Minimalismo

→ És uma apaixonada por uma vida com menos ruído, menos tralha e mais espaço para o que realmente importa. Quando é que começou esta caminhada?
Algures no meu segundo ano da faculdade quando comecei a ler o blog da Rita “The busy Woman and The Stripy Cat” e aquilo do minimalismo, proactividade e organização fez-me totalmente sentido. Na altura, estava na faculdade, fazia voluntariado, aulas de yoga, estágio, tinha o projecto, e fazia parte da secção de estudantes. Muitas das vezes estava cheia de coisas para fazer, sem tempo. O minimalismo ajudou-me a manter todas essas atividades sem me sentir apertada de tempo. E a partir daí é uma caminhada que nunca descorei.

→ Quais foram as maiores mudanças desde que começaste a viver uma vida mais minimalista?
Comecei a olhar melhor para o que me rodeia e a selecionar aquilo que entra na minha vida. Comecei a repensar em que é que vou gastar as minhas energias. Percebes? A tomar decisões mais conscientes. E a definir prioridades, na vida emocional, profissional, económica.

→ Qual é o maior ensinamento que daqui retiras?
Menos é mais. Sem dúvida, e isto em relação a tanta coisa! A coisas materiais, a momentos sociais, a pessoas. Como disse em cima, a partir do momento que só selecionas o que te faz sentir bem, há muita coisa que tens que largar e às vezes pode custar, mas no fundo é mesmo mais benéfico. Acredita. Dizer “não” é libertador.

→ O que ainda te falta largar?
Uma das coisas que quero mesmo largar é o telemóvel à noite. Tenho o péssimo hábito de ir para a cama com o telemóvel e adormecer com ele ao meu lado (sim, eu sei é péssimo!). Essa é uma das mil coisas que me faltam largar. Mas de momento é a minha prioridade. Ainda me falta largar muita coisa, mas assim que me fizer sentido, sei que vou dar mais passos. O que é importante é as coisas fazerem-te sentido e quiseres lutar por elas.


O Chá

→ Quem te conhece ou te segue de alguma forma sabe que onde está a Mariana está uma chávena de chá. De onde vem este amor?
A minha avó. Ela tinha um chá para cada ocasião e eu herdei isso dela. Apaixonei-me pelo chá e nunca mais o larguei.

→ Até criaste um grupo no Facebook para os amantes de chá e puseste tanta gente, eu incluída, a trocar saquinhos cheirosos por esse mundo fora. Qual é o teu sítio preferido para beber chá?
A minha casa! Tenho uma colecção muito grande chás por isso tenho mais chás que a maior parte das casas de chá. Ir para o meu jardim ou para a minha cama beber chá é fantástico e tão acolhedor.

→ E o teu chá preferido?
Chá branco. Pelo que simboliza e pela sua leveza.


A Mariana

→ Quais são os teus maiores objectivos e projectos para este ano?
Quero que o Projecto Cartas Cruzadas chegue mais longe, quero chegar mais longe em tudo o que já me propus na minha vida. Quero viajar mais, sorrir mais, viver mais. Carpe Diem. 

→ E os teus maiores sonhos?
De sempre? Escrever um livro (ou mais), ter uma vida tão bonita como a dos meus pais, viajar pelo mundo, ir a um concerto da Tracy Chapman, ir à Disney! E ter uma vida repleta de saúde, amor e partilha. Este é o meu maior sonho porque sei que se tiver isto tudo vem de acréscimo.

→ Se tivesses de descrever a Mariana a alguém, como o farias?
A Mariana é uma pessoa muito sorridente, que acredita no melhor do mundo. Não tem medo de elogiar, abraçar estranhos e de “conversas difíceis”. Saudade é o nome do meio e “coração de manteiga” é nome de família. Sonha muito, acordada e a dormir. Acredita que “quem quer faz, quem não quer arranja desculpas”, é exigente com ela própria e determinada no que acredita. Adora estar rodeada de pessoas e tem a sorte de conhecer as melhores pessoas do mundo (que são os melhores amigos). Recebe amor diariamente e espalha-o pelo mundo sempre que pode.

→ És uma pessoa de pessoas, unes toda a gente à tua volta, pouco importando a quantos quilómetros as pessoas se encontram. Qual foi a maior ensinamento que todas estas pessoas que se cruzam contigo e com os teus projectos te deram?
Nada acontece por acaso. Se certa pessoa entrou na minha vida, é porque tem qualquer coisa a ensinar-me e eu tento absorver tudo, viver tudo. E o outro ensinamento foi “faz o bem e o resto vem”. Tenho a minha vida preenchida de pessoas maravilhosas e não existem palavras para exprimir o quão grata estou por isso. Obrigada a ti Joana, por estares nela e por seres tão bonita!



Obrigada a ti também, Mariana!

Com amor, 
Joana 


You Might Also Like

6 comentários:

  1. Adoro esta ideia. Adorei esta entrevista *.*

    ResponderEliminar
  2. Que projecto bonito!! Parabéns Joana.
    Foi muito bom conhecer um bocadinho mais da Mariana. Sou da mesma opinião que tu , ela tem um coração enorme.
    Beijinho grande às duas💕

    ResponderEliminar
  3. Querida Joana,

    A tua nova rubrica começou da melhor maneira possível. Duas pessoas verdadeiras que fazem da blogoesfera um lugar acolhedor. Espero, um dia, conhecer-vos pessoalmente.

    Um beijinho enorme para as duas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Começou pois! :p Obrigada, fofinha! Mil beijinhos <3

      Eliminar